Ajude consignando parte do seu IRS

Uma Casa de Todos,com Todos e para Todos...

Slide2

Um Sonho...

Slide3

Uma Obra...

Slide4

Uma Casa de Todos,com Todos e para Todos...

Slide5

Um Sonho...

Slide6

Uma Obra...

Slide1

CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL DE S. MARTINHO DE BRUFE

http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/920769IRS_slider_v2.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/709764centro_brufe_8.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/695277centro_brufe_11.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/258206centro_brufe_13.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/264313centro_brufe_15.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/193181centro_brufe.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/144449centro_brufe_2.jpg http://www.csp-brufe.pt/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/243099Qualitas_Banner_Site.jpg

creche

lado serv lado centro lado lar

1

7º Semana T

“Somos os braços de Deus, somos a Família que acarinha”.

 

 

Assim começava a nossa 7ª Semana T e as palavras são do Arcebispo D. Jorge Ortiga. Em dia de ação de graças, na Eucaristia, da Igreja Paroquial de Brufe, demos graças a Deus por mais um ano de vida. Fomos interpelados a não sermos egoístas e individualistas, a dar algo aos outos, a sermos Família. Na presença do Presidente da Direção Padre Francisco e do Diácono Vítor Araújo, dizia ainda o Sr. D. Jorge Ortiga, que presidiu à Eucaristia, que a nossa dádiva é sempre a partir da renúncia do que é supérfluo e é isto que nos permite ser como devemos ser, verdadeiros cristãos. Confiando em Deus, tendo fé e aceitando ser mãos e braços de Cristo que será mais fácil viver uns para os outros.

 

 2  3

 

Em pleno Domingo Gordo, tivemos ainda tempo para, no serviço de take away, servir Cozido à Portuguesa. As tradições não se podem perder. A Quaresma estava aí à porta e ainda havia tempo para a folia.

Não perdendo esse tempo, na segunda-feira, fomos até ao Pavilhão Municipal, participar no Carnaval Sénior. Este ano a criatividade partiu do nosso gabinete médico e descomplicando as doenças da vida alteramos os nomes para o lado bom da vida. Os nossos médicos chamavam-se Doutor Feliz, Doutor Contente e Doutor Alegre. Os medicamentos habituais passaram a ser Alegrantina, Amigolax, Risotril, Beijo-u-Bom e Felizfer.

Na quarta-feira, realizamos o habitual Dia T+, para o qual convidamos o Centro Social e Paroquial de S. Tiago de Antas e a Associação Engenho. Numa tarde de convívio, foram a concurso três equipas que, entre adivinhas, músicas populares e provérbios contribuíram para uma debatida competição. A tarde acabou à mesa do lanche. Era necessário repor energias.

 

 4  5

 

E chegava o tão esperado dia! Tínhamos pedido a presença da cabeleireira, das gavetas havia saído a roupa

mais bonita e os acessórios que melhor combinavam. O cenário foi preparado. Não faltavam as luzes e o blush. Nós lábios havia a cor do batom e ao disparo do flash havia a expressão do coração. Estávamos todos maravilhados, mas felizes. O dia foi intenso. A fotógrafa Sandra Ventura foi exímia na conquista do melhor sorriso e olhar. Uns mais fáceis outros mais difíceis, mas todos sinceros e naturais. Depois de uma noite a carregar baterias, as máquinas voltaram a fotografar, mas desta vez, os mais pequenos da Creche. Aqui houve olhares estranhos, choros de medo, mas após alguns minutos tudo de se transformava em sorrisos doces ou traquinas.

A semana aproximava-se do fim, a sexta feira era o último dia com programação. De manhã o encontro dinamizado pela professora Joana, juntou os mais novos e os mais velhos ao ritmo das músicas populares portuguesas. Havia reque-reque, pandeiretas, marcas, guizeiras, acordeão, castanholas, clavas. Todos cantaram e até fizemos o ‘comboinho’. À noite houve ‘2 dedos de conversa’ com Pável Modernell, Psicoterapeuta. Numa atividade organizada em conjunto com a Pastoral da Saúde, com o tema ‘(Cui)dando-te… um olhar sobres os cuidadores’, refletimos que os vínculos geram sempre proteção e que cuidamos porque fomos cuidados. Contudo, o ato de cuidar nem sempre representa uma relação saudável, quer por gerar situações de co-dependência, quer por se aceitar a dor do outro sem que não seja empaticamente. Terminamos percebendo que o cuidador pode ser como o Bom Samaritano, que não deixa de viver a vida dele, mas que providencia cuidados. E que nesta estalagem onde procura ajuda está também o Nossa Casa e todas as outras que se dedicam ao cuidado dos outros.

 

6

 

 

 

 

 

 

Plano de Operacionalização Visitas

News image

Ver

Últimas Notícias

  • 0
  • 1
  • 2
prev
next
next
prev